A direita latinoamericana, agora, veste toga em lugar da farda

Publicidade:

por Fernando Brito, Tijolaço

O insólito pedido de prisão, feito por um juiz de primeira instância, contra a senadora e ex-presidente argentina Cristina Kirchner por suposta “obstrução de justiça” em um caso de terrorismo ocorrido há mais de 23 anos (!!!) mostra que o que vivemos no Brasil não é, infelizmente, uma “jabuticaba”, algo que só se passa cá por nossas bandas.

É algo sem pé nem cabeça, mas que vem sendo alimentado pela Fiscalía, o MP argentino, e pela mídia conservadora.

Os interesses da dominação, que nos anos 60 e 70 usaram as forças armadas dos países latinoamericanos usam, agora, o poder judiciário, onde a arbitrariedade da toga substitui, com vantagens, o das fardas.

Os generais foram rebaixados a serem apenas ” forças de reserva”: o protagonismo é de “sua excelências”, que enlameiam a ideia de Justiça colocando-a a serviço de perseguições políticas.

Há os casos absurdos, como este, e há os que, se houvesse juízo e senso crítico na mídia seriam apenas piada, como o caso do juiz eleitoral que condenou o filho de Lula por “desvio” de (atenção para o valor!) R$ 3.300 reais em sua frustrada campanha para vereador.

R$ 3.300! Mil dólares! Se financiamento irregular de campanha fosse isso, o Brasil seria o sistema eleitoral mais honesto do mundo!

É por isso que focam tanto na derrubada do foro privilegiado. Tal como já acontece com Lula, qualquer um dos milhares de juízes do país poderá, a partir de iniciativa da  polícia (que tomou o freio nos dentes) e de um Ministério Público que se arvorou em poder supremo, mandar prender as lideranças políticas, eleitas ou não, e  transformá-las, sem julgamento e automaticamente mas com a mídia, em vilãs, ladras e encobridoras de assassinos.

Leia Também>>  A crise política e a distopia tropical

A ditadura da toga é a versão 2.0 das ditaduras militares dos anos 70 e, tanto quanto os democratas fizeram àquela, a esta é preciso resistir.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *