A impressionante foto de tempestade sobre vulcão premiada pela National Geographic

Esta imagem de Sergio Tapiro Velasco ganhou o concurso da Fotografia de Viagem do Ano de 2017, da National Geographic. Ele fotografa o vulcão Colima, do México, há mais de uma década. Para o registro, ele rastreou cuidadosamente sua atividade – e diz não ter acreditado no que havia conseguido fazer. “É uma fotografia impossível e um registro único que mostra o poder da natureza.”
Publicidade:

Havia uma década que o mexicano Sergio Tapiro Velasco acompanhava a atividade de um vulcão no seu país – ele diz não ter acreditado quando se deu conta da imagem que conseguiu flagrar. via BBC

No concurso, há três categorias: Pessoas, Cidades e Natureza. Atrás de Velasco, Hiromi Kano ganhou o segundo lugar na categoria Natureza com a imagem de sobrevoo de cisnes.
O terceiro lugar na categoria Natureza foi para Tarun Sinha, que flagrou crocodilos em Costa Rica. “Eu queria capturar a grande diferença entre os crocodilos em terra e na água”, afirmou. “Nas águas turvas, o contorno do corpo desses animais fica escondido, e sua circunferência só fica realmente à mostra quando eles saem do rio.”
A imagem de Clane Gessel foi registrada na caverna de mármore em Torres del Paine, no Chile.
Um remoto vilarejo próximo a Tamba, no Japão, é o local onde o fotógrafo Yutaka Takafuji flagrou vagalumes sobre um caminho que leva a um santuário.
Norbert Fritz venceu na categoria Cidades com a imagem do interior de uma biblioteca em Stuttgart, na Alemanha. “Com seu amplo espaço no centro, ela tem uma atmosfera única.”
Esta imagem aérea de Hong Kong deu a Andy Yeung o segundo lugar na categoria Cidades. Ela foi tirada na cidade murada de Kowloon, uma área densa que foi demolida nos anos de 1990. “Se você olhar com cuidado, vai notar que a cidade não está morta”, afirmou. “Parte ainda existe… Espero que essa série possa fazer as pessoas pensarem sobre a claustrofobia de viver em Hong Kong de uma nova perspectiva.”
Misha De-Stroyev capturou um campo de futebol em Henningsvaer, na Noruega, de uma altura de 120 metros. Embora a semana anterior tenha sido chuvosa e fria, o tempo abriu no dia da fotografia, tirada de um drone.
As cores luminosas deste edifício na Prefeitura de Gifu, no Japão, foram capturadas por Tetsuya Hashimoto. A imagem recebeu uma menção honrosa na categoria Cidades.
Nesta fotografia, que ganhou o primeiro lugar na categoria Pessoas, F Dilek Uyar capturou um dervixe rodopiante (um monge muçulmano), na cidade de Sille, em Konya, na Turquia.
O segundo lugar foi para a fotografia de Julius Y, tirada em frente à pintura “Os Síndicos da Corporação de Tecelões de Amsterdã”, de Rembrandt. “Deu a ilusão de que as pessoas na pintura estão curiosamente olhando para os visitantes.”
Rodney Bursiel/National Geographic Rodney Bursiel capturou uma imagem subaquática do surfista Donavon Frankenreiter, em Tavarua, Fiji. “Estou sempre buscando novos ângulos e perspectivas. Já fotografaram tudo no surfe, então decidi ser um pouco mais criativo. Essa imagem te faz olhar duas vezes.”
Na estação de Tongi, em Gazipur, Bangladesh, um homem olha para fora de um trem, enquanto um guarda-chuva protege uma janela aberta. “De repente, descobri dois olhos curiosos olhando para mim”, contou o autor Moin Ahmed.
Por fim, numa mesquita em Nova Déli, na Índia, pai e filho estão juntos na celebração muçulmana que marca o fim do jejum do Ramadã. “A fotografia mostra o bonito laço que essas duas gerações construíram de maneira simples e amável”, afirmou o fotógrafo Jobit George.
Leia Também>>  Smithsonian 2017. Fotos de tirar o fôlego

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *