Cármen Lúcia, o pega pra capar no STF e o apagão da decência nacional

Publicidade:

por Kiko Nogueira, DCM

O apagão é uma metáfora perfeita para o STF, uma piada trágica.

Cármen Lúcia é diretamente responsável pela degradação do Supremo e seus barracos semanais nojentos.

Faz o jogo da Globo e de movimentos fascistas de maneira absolutamente desavergonhada. Constrange os colegas.

Sua missão é entregar a cabeça de Lula. Em nome disso, encampa qualquer tipo de manobra.

Se recusa a julgar ações contra prisão após 2ª instância.

Culpa Edson Fachin pelas próprias omissões.

Recebe representantes do Vem Pra Rua, quatro fanáticos limítrofes, no gabinete e garante que não vai decepcioná-los.

Dá uma entrevista sabuja a Heraldo Pereira em que ele lhe toma lições sobre a Lava Jato.

Engana Celso de Mello ao dizer que vai marcar uma reunião com os ministros, deixando o decano pendurado com a brocha na mão.

Em plenário, deixa o circo pegar fogo.

Na baixaria desta quarta, dia 21, poderia ter interrompido Gilmar quando ele começou suas indiretas fora da pauta.

Luís Roberto Barroso, suscetível, acusou o golpe e partiu para um chilique tirado de alguma canção de dor de corno (“Me deixa de fora desse seu mau sentimento / você é uma pessoa horrível”).

Ela permite o solo de Barroso por um minuto inteiro, sem interrompê-lo.

Depois que o estrago foi feito, suspende a sessão.

As confusões que provoca, as hesitações, a mediocridade, as entrevistas ruins, as platitudes — tudo é calculado em Cármen Lúcia.

O retrato acabado da nossa miséria. O Brasil não é Marielle Franco. O Brasil é a Carminha.

Leia Também>>  O STF, que pôs lenha na fogueira, agora pede “serenidade” à população

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *