Como se nasce e como se morre de fascismo, segundo Umberto Eco

Publicidade:

Publicado no Unisinos

POR DE FURIO COLOMBO

O fascismo é como a tuberculose. A pessoa tem uma aparência saudável e, de repente, começa a expelir sangue. Isso é o que sabe e o que conta Umberto Eco em Il Fascismo eterno – La nave di Teseo, (O Fascismo Eterno, O Navio de Teseu), utilizando materiais de um evento que organizamos juntos na Columbia University.

Naquela época (1995) eu estava ensinando na universidade e era o diretor do Instituto Italiano de Cultura. A intenção era celebrar pela primeira vez, publicamente, a data de 25 de abril nos Estados Unidos (Festa da Libertação, ndt).

Os protagonistas eram, além de Eco, Giorgio Strehler, o lendário diretor de Brecht no Piccolo Teatro de Milão e Lucianio Rebay, comandante da resistência na juventude e professor de poesia na Universidade de Columbia pelo resto de sua vida. Strehler e Rebayfalaram sobre resistência e prisões, traidores e heróis na Milão do último fascismo.

Eco escolheu um extraordinário fragmento de autobiografia que, no final, você percebe, torna-se toda a sua autobiografia, claro que do ponto de vista moral e intelectual: o que entende uma criança de fascismo? Que legado fica para um adulto depois de um encontro tão assustador? E como você pode se comprometer para sempre em defender a liberdade, quando percebe que o pesadelo não acaba?

Umberto Eco não viu os fascistas de Como, que entraram em uma casa particular, que circundaram um grupo de voluntários pró-migrantes para ler sua mensagem. Mas era escritor e filósofo, e sabia que aquele perigo estava por vir. “Na Itália, algumas pessoas se questionam se a resistência teve um impacto militar.

Leia Também>>  'Tenho medo do meu vizinho': crimes de ódio em alta nos EUA de Trump têm minorias como alvo

“Para a minha geração a questão era irrelevante: logo percebemos o significado moral e psicológico da Resistência”, Eco escreve em seu livro, que é imprescindível ter e difundir.

Essas poucas páginas são um dos livros mais belos e mais importantes de Eco. Ele termina com uma maravilhosa poesia de Fortini (“No parapeito da ponte / as cabeças dos enforcados ….”) e com sua advertência: “Que este seja o nosso lema: jamais esquecer”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *