Empresas não contratam, de olho na reforma trabalhista

Publicidade:

por Fernando Brito, Tijolaço

Os economistas ouvidos pelo jornal Valor previam 26 mil empregos a mais em novembro.

Já era um quase nada.

O resultado, porém, foi pior: mais de 12 mil vagas fechadas.

A contratações de “trabalhadores intermitentes”, aquela vergonha que leva pessoas a terem remuneração mensal de menos de R$ 200 foi um fiasco: apenas três mil contratações, em todo o país.

Das duas, uma, ou ambas: ou as empresas esperam antes de correrem os riscos de uma legislação que está mais do que questionada judicialmente ou a tal “retomada da economia” é uma marolinha, apesar do foguetório da mídia com as vendas de Natal.

Propaganda não faz progresso econômico.

Escravidão também não.

Leia Também>>  Salvação de Temer pode custar R$ 17 bi ao País

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *