“Nocturama”: explodam estátuas e palácios, mas deixem os shopping centers!

Publicidade:

por Wilson Roberto Vieira Ferreira, Cinegmose

O cenário é a crise econômica e desemprego na França pós crise do Euro de 2008. Um grupo de jovens de diversas origens étnicas caminha pelas ruas de Paris. Silenciosos trocam olhares, pegam pacotes em cestos de lixo e descartam telefones celulares após utilizarem. Aparentemente cansados da sociedade, planejam um ousado atentado: explosões simultâneas na cidade, mandando pelos ares símbolos do poder financeiro e político. “Nocturama” (2016), do francês Bertrand Bonello, mostra como a própria energia utópica e contestadora naturais da juventude, hipnotizada pela rebeldia da cultura de consumo, é cooptada por uma irônica “rebeldia conformista”. Desafie a sociedade explodindo palácios, estátuas e torres do poder financeiro. Mas mantenha intacto os shopping centers. Filme sugerido pelo nosso leitor Felipe Resende.

 

Quando somos jovens temos muitos sonhos utópicos, ingenuidade, energia e desejo. Na política, o anarquismo, táticas radicais de ação direta, black blocs, autonomia e desprezo à política tradicional partidária sempre fascinaram os jovens ao longo da história política.

Talvez a juventude, antes do ser adulto resignado aos deveres e haveres da vida social responsável, seja o período da vida em que fica mais claro a estrutura hipócrita que torna a vida social uma ficção necessária baseada em três pilares: a mentira (a má fé), a ilusão (a condição gnóstica da falsidade ontológica do mundo no melhor estilo de Matrix e Show de Truman) e a ideologia (a instrumentalização da mentira e da ilusão para finalidades politicas).

Todos os sistemas sociais sabem do perigo que representa a juventude e, por isso ao longo da História, criaram uma série de dispositivos para punir e controlar os jovens, dos cruéis rituais de iniciação das sociedades antigas à maratona do vestibular e da exploração e humilhação reservado a estagiários em seus primeiros empregos no mundo corporativo.

Leia Também>>  Alguém manipula nossas identidades no filme "Los Parecidos"

Porém, o filme Nocturama (2016), escrito e dirigido por Bertrand Bonello, aborda uma ainda mais insidiosa forma de controle da rebeldia da juventude: e se o jovem pudesse ser controlado e resignado ironicamente no seu mais radical ato de contestação contra a sociedade – no terrorismo anarquista? E se a mesma sociedade de consumo que cultua a rebeldia e inconformismo jovem por meio da música e publicidade, pudesse controlar o jovem mesmo no seu maior momento de contestação, quando ele quer ver prédios, estátuas e o Governo indo pelos ares?

Matéria Completa, ::AQUI::

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *