Sobrevivente do Jogo Baleia Azul diz que foi salva pela mãe

Publicidade:

Menina brasileira de 15 anos só está viva porque a mãe conseguiu impedir o fim trágico. A jovem, que se dizia desacreditada de tudo, conta como se entregou ao que viu ser uma falsa esperança: O Jogo Baleia Azul

Do Pragmatismo  Político

A Polícia Civil do Rio de Janeiro ouviu nesta quinta-feira (20) mais uma adolescente vítima do jogo “Baleia Azul” – disputa virtual que inclui desafios que podem induzir ao suicídio.

Segundo a investigação, uma das vítimas ouvidas foi impedida de se matar pela mãe, que percebeu que a filha tinha escoriações pelo corpo.

No jogo, disputado pelas redes sociais, em que um grupo de organizadores, chamados “curadores”, propõe 50 desafios macabros aos adolescentes, como bater fotos assistindo a filmes de terror, automutilar-se e ficar doente. A última missão do jogo é se matar.

De acordo com a delegada Fernanda Fernandes, uma adolescente estava num estágio intermediário do jogo, mas quis adiantar a última tarefa que consiste num atentado contra a própria vida.

A delegada contou que a vítima ia sair de casa e que pretendia pular de um prédio, mas foi impedida pela mãe, que percebeu escoriações no corpo da menor. Mesmo em casa, a adolescente tentou outras formas de se matar, mas novamente foi impedida.

Depoimento

Flávia (nome fictício), de 15 anos, disse que sentia uma vazio dentro de si. A menina não sabe explicar o que é, apenas sofre.

A adolescente desacreditou no amor da mãe, no contato com outros seres humanos e na fé religiosa da criação que recebeu na Zona Oeste do Rio. Entregou-se ao que agora viu ser uma falsa esperança: o Jogo Baleia Azul.

Leia Também>>  Rafael Braga e Breno Borges: quando 9g de racismo pesam mais que 129kg de maconha

“Quem tiver com vontade de entrar no Baleia Azul, não faça isso. Só vai te causar coisas ruins. Em vez de parar sua tristeza, só vai aumentar. E vai acumular, e vai acumular… E quando você vê, já vai estar vazio por dentro e por fora. Apostem numa coisa que você gosta. Talvez numa música de que você gosta. Talvez você se sinta melhor. Porque eu sei o quanto dói, mas não vai ser um jogo que vai te fazer parar de sentir dor. E nem a morte”, desabafou a menina.

Flávia foi internada após a mãe descobrir que ela estava participando do jogo, e já estava na 15ª ordem. A menina teve alta após dois dias e acabou tentando suicídio. A mãe, que abandonou o trabalho por preocupação, conseguiu impedir que o pior acontecesse.

A dor da mãe a fez recuar. Vez por outra, Flávia diz que sente vontade de desistir, mas tenta mudar de pensamento. Está em tratamento, e sonha em ser fotógrafa:

“Minha mãe me disse que fazia tudo para eu ficar viva. E eu entendi. Às vezes eu penso (na morte), mas aí eu penso no meu futuro”, contou.

Alcance

O jogo ganhou visibilidade e vem se alastrando pelo mundo. Em alguns países, como Inglaterra, França e Romênia, as escolas têm feito alertas às famílias, depois que adolescentes apareceram com cortes nos braços, queimaduras e outros sinais de mutilação.

O fenômeno começou na Rússia, mas está se espalhando – inclusive no Brasil, como indicam o caso da jovem de 16 anos morta no Mato Grosso e uma investigação policial em andamento na Paraíba.

Saiba mais sobre o Jogo da Baleia Azul aqui.

com informações do Jornal Extra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *